Desencaixotando Rita

Desencaixotando Rita

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

"teresa/158a"

para aquele que tem mar no início, meio e fim



tenho te escutado
com considerável dificuldade,
como aos balbucios morninhos
que escapam de um gato
      sobressaltado
      durante um pesadelo
-- baby, por cierto, ¿sabes?
                     con qué infierno
                      sueñan los gatos?

não me resta outra opção
senão organizar meu tempo:
a) categorizando objetos;
b) esculpindo sisos extraídos;
o fato é que crio pontes de heras
para tuas frágeis elipses
e faço de mim tua vodca
em tempos de crise.


você, tez amadeirada
de contorno impreciso.
você, puro pêndulo
que eu sulco, inteiro
justo naquilo que se arrepende
                a i n d a   n o       a r
                inseguro
                e densamente noctívago.


eu, a primeira lasca
                  -- goiva
       de duas pontas
feito lança que arpoa
                   em cheio

                   mas
                   não
                   retorna.