Desencaixotando Rita

Desencaixotando Rita

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

''garota acidentalmente de vermelho"

eu tenho há dias uma garota
   encalacrada
                nas retinas:


                                       uma garota 
acidentalmente vestida de vermelho
          da cabeça aos pés
 um rastilho quase invisível 
                de pólvora
decantando a cada um 
de seus passos andaluzos

      ela é  a minha garota 
verdadeiramente plutônica
ela tem mais daddy issues do que eu 
suas cartas de tarot 
são lançadas displicentemente
no fundo da bolsa,
 junto com sua necessaire 
        de maquiagem
e as chaves de casa
      e os planos 
de uma vida longa
                          e feliz 
na medida do possível
- porque feliz feliz ninguém é
não o tempo todo
não como um todo
não por tudo

e sobretudo: não porque 

a garota está acidentamente vestida
                  de vermelho sangue
ela tem ~acidentalmente~ no peito
                        um alvo
           a prova de setas e tiros
                                       mas a garota 
a garota está propensa a acidentes
                                        - disseram - 
            "acidentes"de natureza obscura 
                como em romances policiais
      ou programas de mistério na tv a cabo

a garota está acidentalmente vestida de vermelho
   ela tem 28 anos e um laudo de necrópsia 
                          para decifrar
nem a esfinge da medicina forense 
ou nenhum oráculo se atreveu a antecipar
                        sua morte

eu tenho uma garota
a c i d e n t a l m e n t e
      presa às retinas
ela está vestida de vermelho
e isso não é um poema
isso não é uma notícia de jornal
é uma elegia:
a garota veste vermelho

e isso não é um acidente.

"missão dama de copas"

      esse, meu bem, é sobre o acaso
                que nos pôs aqui 
        nesse claro concubinato
vendo carnificinas onde não existem
crescendo tempestades domésticas
                   de estimação
           em aquários calefados
a verdade é que acredito na cigana 
nas linhas das suas das minhas mãos
e nos gêmeos profetizados -- eu & você
                o garoto dos cascos
sonhei esta noite que éramos um casal
em pelo menos dois universos paralelos
[o que claramente denota um destino]
                            ........
                   [o que denota 
                       que o giz 
              riscado no quadro
              era mesmo um pacto 
             de muito muito antes]
                    mas o fato 
   é que eu tenho uma coisa com gatos
           é que tenho um nome secreto
                que você desconhece
           uma tremenda tolice - é claro, 
                 ~um nome de dança~
            que recebi aos dezessete anos
               quando eu fui odalisca 
de beira de estrada
numa cidade litorânea 
do interior do estado





e o mistério que fica mesmo
é como pode uma cidade 
ter essa existência dupla:
ser litorânea
              e ser interior

no seu estado