Desencaixotando Rita

Desencaixotando Rita

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Desalento

Não há palavra que chegue.
Só oceano

descomunal.















'Acontece que na tua ausência
o mar é quem sonha
em mim
mar que faz de ti o leite
que a noite em mim
derrama...'

("Acontece que na tua ausência" - de Lee-Li Yang para Duarte Galvão)

"O vento sul
vai
abrindo sul-
cos na alma e
reabrindo flancos
no mar.

(...)

Desmedido nada é
tão mar
quanto nua
a alma.
Nada é
tão genuíno e
tão frágil
quanto
a vida.

("Poemas do vento sul" - De Duarte Galvão para Lee-Li Yang

Virgílio de Lemos - Fragmentos de um discurso heteronímico amoroso

4 comentários:

  1. me perdi em algum lugar entre o primeiro poema e a ultima citação... vai ver que foi afogamento.

    ResponderExcluir
  2. Se você me procurasse.

    E.

    ResponderExcluir
  3. O que eu procuro eu encontrei e perdi, e encontrei de novo.

    Quem eu procuro, não se acha e por isso também não me encontra.

    Mas eu o encontro. Vejo-o claramente, e recomponho os estilhaços. Reconstruo um mundo, inauguro o que for, se houver chance.

    ResponderExcluir

Comentam por aí...