Desencaixotando Rita

Desencaixotando Rita

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Espanquês

penso que esses dias

há qualquer coisa de excessivo
nos teus lábios cheios e precisos

no sibilar agressivo do teu toque

há também
a sua beleza cálida de ostra
que encerra a minha palavra

tal qual batuta inversa de maestro

a sutura de escárnio bruto
que emudece o grito agudo
de siringes, siringes

e mais siringes

o silêncio das horas desalmadas

e a onda de vago desejo
que passa

e quase me atinge

6 comentários:

  1. grito mudo, sobre siringes que perderam a noção da boca que alça o canto.
    soberba a profundidade do teu texto.
    beijinho!

    ResponderExcluir
  2. Quase querendo rimar... mas sem se largar a esses "excessos"... Sentimentalista (como sempre!). Eu apostaria que você é uma pessoa de convívio árduo e penoso pra um homem simples (ou um homem, via de regra... são todos simples mesmo).

    ResponderExcluir
  3. Sou muitas vezes de convivência penosa para mim mesma, e imagino isto não ser apenas privilégio meu, pessoa 'árdua' que sou .
    Sentimentalista eu não saberia dizer.

    Tenho uma profunda admiração pela simplicidade. Pelos homens e mulheres simples. Pela simplicidade de espírito.

    Quanto a essas 'apostas', só tenho a dizer que você não foi o primeiro e certamente não será o último a tomar poética como biografia; a depreender análises de personalidade a partir de versos.
    É um caminho fácil, eu admito.

    ResponderExcluir
  4. É um caminho que tem precedentes, não? Adomais, se a poética e a biografia não estiverem de alguma forma intimamente relacionadas, é preciso, em todo caso, acreditar em uma ou na outra ;P

    ResponderExcluir
  5. Você há de convir que o método tem precedentes, e vc nao seria tambem a primeira em que poetica e biografia estejam intimamente relacionadas... mas confesso que o parametro indiciário é baseado na mera especulação, afinal, há onde haja fumaça sem a mínima fagulha que seja.... Quanto a simplicidade, há muitas maneiras de interpretar, eu , por acaso, nao me referia a uma simplicidade de caráter, humana e ao mesmo tempo idílica (tal como talvez se cantasse em um mario de andrade), mas a uma simplicidade prática e utilitária, em que não sendo 2 + 2 = 4, discussão alguma não há.

    Espero que vc não tenha me "levado a mal". Fiz o comentário somente porque quando leio seus textos acabo sempre intepretando ou procurando interpretações. E supondo que há sempre na aparente falta de clareza (em especial nos seus textos) uma clareza mais honesta que aquela mesma das palavras que se dirigem a uma imagem ou a uma narrativa qualquer, acabei tendo que supor que você falava também de si e nao simplesmente uma poesia. ;P

    ResponderExcluir
  6. Um caminho fácil sempre tem precedentes, como eu disse acima.

    Para ser honesta, só levo a mal se você também tiver levado. =P

    E seguindo nessa vibe poética/biográfica, eis o hai-kai de hoje.

    ;)

    ResponderExcluir

Comentam por aí...