Desencaixotando Rita

Desencaixotando Rita

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

"my very own l'albatros"


essas asas de gigante
impedem-no de andar
                      na terra
[baude diria
a seu respeito]

uma pequena revolução
feita em curvas
      e lascas pontiagudas
                    [a parte do fogo
                     que o constitui
                    cobra seu preço]

os que vivem na água
não compreendem a tua
fundamental instância
                do voo
       e pouso

o nosso céu da boca
                   em festa una
                            de dois

             porque
há algo em você
que não se esgota
[     que demanda
________________
/ incorre / me ganha
  na exigência atroz
                de brilho,
          fagulha súbita
                tímida     ]

                mesmo
          na    hesitação
-  e    você,   meu    bem,
 é criatura exímia na graça
      de   s e r      titubeante,
        nesse bruxuleio de chama
                  envergonhadíssima

                    de sua  própria luz

porque mesmo as pedras
                 luzem à noite,
     guardam
    calor em seus núcleos
            para uma dança sísmica
     que escapa aos nossos olhos

2 comentários:

  1. que lindo te achar! ao menos alguns pedaços...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. peixe, bom foi te encontrar!!

      quanto aos pedaços, como te disse, não tenho certeza se algum dia formarão uma unidade... A sensação é de dispersão, dissolução e prisma, mas não mosaico. esse netuno em peixes...

      mas acho que isso é a única coisa talvez da qual eu não consigo fugir: a necessidade de fugir, o traçado do escape futuro...

      <3 Apareça mais por aqui, viu?

      Excluir

Comentam por aí...