Desencaixotando Rita

Desencaixotando Rita

quinta-feira, 2 de julho de 2015

"pizarnik"





















o mar não tem dono em terra
            apenas até que
            abras o poema
e persistas: abras o poema,
até que o último náutilo pise
em tábua flutuante
               -  abre o poema.

                porque o mar
não tem dorso em terra
até que abras o poema.
porque não te possuo,
não te possuo nunca
até que abras o poema
e embora eu não te possua
é preciso que estejas aberta,
                                     


                        e o poema
fundamentalmente incompleto.
e a fenda a te percorrer inteira
como uma incisão de autópsia
e que dentro da fenda, onde
o coração fraqueja, você
                       estremeça
e ainda assim, abra o poema
até que seja outro,
que seja asa ou
secreção sem corpo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentam por aí...