Desencaixotando Rita

Desencaixotando Rita

quinta-feira, 24 de março de 2016

"manifesto dos coelhos na cornualha"

quando saímos à noite
eu: um coelho selvagem
     em cruzeiro atlântico
você: um surfista nativo
de uma cornualha rochosa
     em suma em suma
~ não há habitat natural
   possível para nosotros ~


            *********

                 e tenho me perguntado
                  a respeito da memória
que restou dessa luz infeccionada
a emitir padrões na pista de dança
como algoritmos infinitos
de perversidade estroboscópica
       -- pequenos eventos de led
a percorrer outros corpos absortos
       em   batidas   binárias
    e localizo no tempo enquanto
ensaiávamos alguns passos de dança
         essa microvilosidade luminosa
de um único ponto
             que insiste
em mirar o teu peito feito seta latejante
    [ homicida -- eu tenho certeza ]
                como quando
   um primeiro objeto perfurante
      acertou em cheio um alvo
                          e
                        viu
                     escorrer
                    um filete
                    crescente
                         de
                     sangue

eis que retornamos finalmente
                 ao largo fumegante
                              onde nunca
                          nunca mesmo
     caiu nenhum floco de neve

saiba portanto
que eu dedico
esta grave infâmia :
a todos os cômodos
que falham em caber
dentro de uma casa
a todos os móveis
uranianos i n d i s c i p l i n a d o s
que se rebelam diante
da geometria incansável
                                      de paredes
                                          criando arestas
    e ilhas de resistências
           no assoalho
formando ângulos indivisíveis
e  arcos    e  arcos        e arcos
          e ocupações inabitáveis
       dentro de todo e qualquer
     confortável seio doméstico

é preciso situar
o verdadeiro perigo
              justo onde
ele parece autorizado
a provocar pequenos
acidentes    por pouco
      imperceptíveis
desastres calculados
na parte hidráulica
             da cicatriz
para envelhecer  o  poema
   onde ele quase margeia
                    a membrana
                   do tímpano
e a impenetrabilidade
                  da pedra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentam por aí...