Desencaixotando Rita

Desencaixotando Rita

sábado, 13 de agosto de 2016

"uma mulher sob influência"












queria escrever um poema sensorial, um sobrevoo rasante, ébrio, erótico,
com palavras que pudessem salvar algo disto aqui, mas o poema ele fracassa.
o poema fracassa justo onde eu preciso ser salva, justo onde eu, como gena, 
mabel, como outras, como todas as mulheres que levantam os braços e rodopiam
com ou sem roupa, pelas ruas ou entre paredes, em silêncio ou aos berros,
            justo onde enlouqueço numa sazonalidade que não omito

                                                                                         mas não controlo.

queria escrever um poema que colasse no corpo como um drink açucarado que seca
sobre as pernas no dia seguinte após ter sido derramado numa noitada sem que fosse
sequer percebido. mas o poema fracassa porque esta loucura 
porque esta loucura tem o formato de dunas que se movem 
lentíssimamente durante a noite, rearranjando uma nova paisagem estática 
ainda que movente a cada dia.
                            
                                      o poema ele não se curva
                            ele é tão domesticável quanto uma onça 
                                     fumando charutos cubanos.

mas se você superar isto e seguir adiante, o poema te oferece uma delicadeza selvagem
como a de um gato que brinca monotonamente com um balão de gás já meio murcho,
rolando-o pelo chão com as patas e unhas, mordiscando de leve,           sem o destruir.

      queria mesmo que o poema tivesse uma qualidade profética, 
                     que inaugurasse um universo paralelo
           mas o poema é bidimensional; ele tem a velocidade
          de gotas descendo espáduas octagenárias, incorrendo
               em cada vinco, hesitando nos profundos sulcos,

                             
                                           ensaiando um desvio
                                       a cada acidente epidérmico 
                                             causado pelos anos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentam por aí...