Desencaixotando Rita

Desencaixotando Rita

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

"a morte de katherine mansfield"




                                       ana c. está farta:
da materialidade embrullhada do signo
da metalinguagem narcísica dos poetas
                do texto de espelho em punho
              revirando os óculos modernos

[ana, quero também 
                   a página
apinhada de abajures
a legião antidiluviana
invadindo
pelas margens
               mas sem
ocupar efetivamente
                 o coração
                   do texto]

mas ana c. deseja
         sobretudo
esse enamoramento
                     letal
                       por
                  abismos
                anacrônicos

e seu erro planejado de cálculo:
   ancoragem   ancorar ancorar
  ancorar um navio no meio-fio 
[o navio encalacrado no espaço]

          **************** 

ou uma sequência interrupta
          de naufrágios?

mas há que se considerar
      a pausa perigosa
          nos pulmões

a pausa perigosa nos pulmões
         de katherine m.

como é possível, ana
     traduzir bliss
se o estado de graça
há de desembocar 
                  sempre 
                         numa pausa?

tu trocas 
a  beleza desmedida
                  da 33a poética
                  [o desejo secreto
                             do poema]
                  pela  serenidade
                  de quartzo
                   como têm
        as saudáveis mulheres campestres
     de mansfield com seus rostos lunares
              seus braços fortes
            o busto substancial
seus rebanhos de ovelha
[as mulheres de mansfield
   prontas para a colheita]

as mulheres de mansfield

         e a pausa perigosa 
              nos pulmões




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentam por aí...