Desencaixotando Rita

Desencaixotando Rita

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Em caso de cachaça ou ruína

Atrasada para a escola, a menina Beatriz correu ao quintal ainda de tênis desamarrados e cabelos em desalinho para acudir tia Abigail, que a altos brados proferia o estranho anúncio:
- Madeeeeeeeeira!
Foi apenas o tempo de chegar na soleira da porta da cozinha de vó Inês. Tia Abigail tombava ao lado das hortaliças com a retumbância dos jacarandás centenários.
Muito impressionada, a menina demorou a entender as palavras impacientes da avó:
- Está de fogo essa desavergonhada!
Mais velha e mais cínica, porém, a não-mais-menina-Beatriz ponderou. Seria bom se, como sua tia, ela pudesse conservar ao longo de sua vida, um traço que fosse de humor, em caso de cachaça ou mesmo de ruína. Em caso de vida ou morte.
Ou no caso, quem sabe, de precisar ela desmoronar - como toda mulher que conhecia - uma vez ou outra.

5 comentários:

  1. Eu teria sorte em ser apoio. Para quando você desmoronasse.

    E.

    ResponderExcluir
  2. Eu teriz azar em ser tão piegas em meus comentários.

    L.

    ResponderExcluir
  3. Que lindo Rita. Adorei. Seu texto é cheio de palavrinhas grávidas. Tia Abigail parece alguém muito interessante. bjs.

    ResponderExcluir
  4. Se me reservo o direito de ser "piegas", é porque sei exatamente o que eu quero.

    E.

    ResponderExcluir

Comentam por aí...