Desencaixotando Rita

Desencaixotando Rita

terça-feira, 20 de julho de 2010

(dis)tensão pré-morte

Ela acordou com as bochechas coradas e a pele descansada. Músculos relaxados.
O frescor indizível de uma sentença de morte. Só os desenganados dormem desta maneira, ela refletiu. Uma piedosa concessão; último golpe de misericórdia do seu próprio corpo em colapso, talvez.
Levantou-se para o seu último dia de trabalho. Vestiu o vestido mais bonito, azul-escuro. Não tão curto. Pôs no rosto a maquiagem de sempre, leve, adequada para o escritório e esticou os dentes no sorriso mais atrevido de que era capaz. A empáfia derradeira dos que sabem que encontrarão a morte cruzando a esquina.
Despediu-se do marido, que também se aprontava para o trabalho. Com um beijo doce e mordaz, ela pensou em dizer: não a veria jamais.
Despediu-se sem dor, todavia. Não havia mais dor. Ainda a sorrir, ela considerou que contra todas as evidências, estava tornando-se uma atriz.
A caminho do ponto de ônibus, os passos firmes. Os saltos quadrados delinearam o seu último rastro neste mundo.
Com a mão direita suspensa no ar, ela interrompeu o gesto de sinal para o ônibus. E um momento de hesitação. O coração em gorgolejos descompassados de repente parou. O gole sôfrego de ar que ela engoliu ainda sorrindo não mentia. O fôlego final da sua vida.

5 comentários:

  1. "O fôlego final de sua vida."

    Será?

    E.

    ResponderExcluir
  2. se ela fizesse natação durante os anos da juventude, provavel que tivesse aguentado até chegar ao trabalho...

    ResponderExcluir
  3. Pois é. Às vezes a licença-poética esbarra distraída na verossimilhança.

    Acontece.

    ResponderExcluir
  4. Digamos que, como de costume, é meio a meio... a velhinha existe, mas ela não deu seu ultimo suspiro esperando pelo onibus como era de se imaginar. e vice-versa ;P

    bsj

    ResponderExcluir

Comentam por aí...