Desencaixotando Rita

Desencaixotando Rita

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Outono excessivo

na geografia impossível em que me situo,

um fio de luz brilha na deriva solvente do escuro






e meus continentes movem-se de lugar

4 comentários:

  1. sou mais daqueles que se guiam antes pelo que se firma abaixo dos pés que pelo posicionamento ante o absoluto... nesse caso eu diria que meus continentes são o próprio lugar, que por isso não muda. Pragmatismo de coloração mais cinza que a sua sensibilidade, para a qual também os raios de sol que incidem em determinada época do ano fazem do chão que se pisa terra distinta daquela quando os olhos viam outras luzes.

    ResponderExcluir
  2. ótimo, muito mesmo!

    ei, obrigado sempre pela visita e palavras...

    ResponderExcluir
  3. as estações do homem.
    mesmo que em outonos intermináveis e meteorologias plúmbeas, os continentes movem-se: as placas têm alma.
    abraço. rita!

    ResponderExcluir
  4. Rita, seus olhos realmente causam essas impressões... Acostume-se. rs
    Às vezes olho nos olhos do Thomas (agora do Edgar também) e lembro de você...
    E devo acrescentar: Seus olhos me lembram o outono também... Folhas outonais... =)

    ResponderExcluir

Comentam por aí...