Desencaixotando Rita

Desencaixotando Rita

terça-feira, 26 de maio de 2015

"peixe-pedra"

para Julia Bicalho Mendes


por mais que
que essa carne robusta
seque ao sol, por mais
que essa penugem dourada
te cubra dos pés a cabeça,
sabemos
qual o teu elemento
de donzela pré-rafaelita 
anacrônica,
como o sal e o amor o são.
teus sonhos de ofélia 
permanecem 
marítimos,
apenas que agora
escapas ao afogamento.

acalento no peito
um pequeno animal
[esse peixe-pedra 
és tu, tão alaranjada]
que sonhas
sob dobras
abissínias
com um azul chagall,
que tranca a garganta
de mergulhadores
com sereias omissas
             de oxigênio.

nos pés descalços,
cada vez mais rarefeitos,
na água ou fora dela,
já se percebem
as membranas definindo-se
e, em pouco,
pouco tempo,
essa queimadura
no peito
não terá mais 
não terá mais
         existido.

3 comentários:

  1. não sabe como vem a calhar, cigana
    estes poemas em pedra
    tentando respirar no fundo
    entre um hiato y outro
    nenhum afogamento
    me escandaliza
    acordo com facas
    na garganta para
    te dizer isso
    um silêncio atado
    de conchas submersas
    e varizes submersas
    e vozes submersas
    todas a emoldurar
    o corpo como
    um caixão
    y nós: a bailar
    se pudéssemos bailar
    se houvesse música
    enquanto os pés
    caminham para
    dentro das grutas

    ResponderExcluir
  2. mergulhada nessa conversa,
    desejei ser poema
    e me afogar em tanta imensidão!

    <3

    ResponderExcluir

Comentam por aí...