Desencaixotando Rita

Desencaixotando Rita

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

"nota sobre um inferno astral em quase dezembro" ou "prove que não sou um robô"

hoje falo por mim,
                 eu 
                 [gargalhadas]
que suo gotas constrangidas
ao ouvir minha própria voz 
                        ao telefone
    como a de um estranho
falo por tudo aquilo que fala
por intermédio de um vermelho
        terroso violento atroz
                  como em
modigliani, como no abstracionismo russo
                                          que mata poetas 
                                em linhas geométricas

e por todos
aqueles que golpeiam os telhados
como gatos revolucionários

                         por toda e qualquer
                       sensação existencial 
[na fronteira anatômico-imaginária
entre boca do estômago e pulmões]
por todo sentimento filosófico-existencial
de terreno baldio 
inviolável
selvagem como um poodle abandonado
                                                no parque
                         como uma abelha rainha 
                         presa    por um barbante


inauguro hoje com a ponta dos pés
             essa hospedagem ambígua 
   na casa número doze do zodíaco
onde é preciso prestar contas
                à esfinge moderna
                          com senhas 
              de letras e números
            e enigmas insolúveis

   "prove que você não é um robô"
            [   ] não sou um robô





prove 
que 
não 
sou 
um 
robô

Um comentário:

Comentam por aí...