Desencaixotando Rita

Desencaixotando Rita

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

"sereia blooming blues"



porque é preciso
exercitar a violência
que só uma ideia incorpórea
imprime
ao corpo
-- ricochete que vai de trás
para a frente
em mar aberto, ferida
que espuma pela boca sal
e gritos e gritos     e gritos

no fundo, a vida depende
da coragem de arrancar 
um sorriso tímido dos astros
com um pé de cabra
investigando a malha beligerante
                               na marra:
qual era mesmo o teu formato?
qual a velocidade com que
crescem os ossos?
onde ficou aquela que partiu
antes, antes de todos?

   [que partam todos os raios 
          que partam todos 
   e que ainda assim eu fique
   que eu fique - só e inteiriça 
que seja pernas ou rabo ou nado 
        inspire respire amém ]


para descobrir tarde demais que
a coisa mais triste do mundo
                                 é a pele

que a coisa mais triste do mundo
        não deixa sequer cicatriz



7 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. ultimamente, tenho gastado muito tempo nos teus poemas
    leio uma, duas, muitas vezes
    e se me perco em tantas delas é porque necessito de ar
    e mais tempo

    pra te ler, Rita Isadora, há que se reinventar os segundos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Aniña... ultimamente tenho nem te digo...

      Excluir
  3. "a coisa mais triste do mundo/ não deixa sequer cicatriz" (Isadora)

    ResponderExcluir

Comentam por aí...